EU SOU O MENSAGEIRO POR MARKUS ZUSAK

sábado, 4 de maio de 2013













Ed Kennedy leva uma vida medíocre, sem arroubos. Trabalha, joga cartas com cúmplices do tédio, apaixona-se por uma amiga que dorme com todos os vizinhos do subúrbio e divide apartamento com um cão velho. O pai alcoólatra morreu há pouco; a mãe parece desprezá-lo. 

Certo dia, ele impede um assalto a banco e é celebrizado pela mídia. O ato heróico tem conseqüência. Logo depois, Ed recebe enigmáticas cartas de baralho pelo correio: uma seqüência de ases de ouros, paus, espadas, copas, cada qual contendo uma série de endereços ou charadas a serem decifradas. Após certa hesitação, rende-se ao desafio. Misteriosamente levado ao encontro de pessoas em dificuldades, devassa dramas íntimos que podem ser resolvidos por ele. Uma mulher é estuprada diariamente pelo marido, enquanto uma senhora de 82 anos afoga-se em solidão, à espera do companheiro, morto há mais de meio século.

A ele parece caber o papel do eleito, do salvador. Convencido disso, segue instruções e se perde entre ficções de estranhos e sua própria, embaçada, realidade. A certa altura pergunta-se: "Eu sou real?" Markus Zusak cria um personagem comovente capaz de confrontar o mistério e, por meio da solidariedade, empreender um épico que o levará ao centro de sua própria existência.
O fracassado Ed Kennedy parece comum aos olhos de quem está inserido nessa história, mas aos leitores ele se torna extraordinário. Ao impedir um assalto a banco, sua vida transforma-se em algo que ele jamais teria imaginado. Um ser misterioso passa a entregar-lhe cartas de baralho pelo correio. Todas contendo algum nome, número ou direção a ser tomada. Eis que é imposto ao nosso protagonista a missão de salvar algumas vidas. Surge então a grande sacada da história: o autoconhecimento. Ed não aproveitava seu potencial como ser humano, ele era limitado.
Markus, o autor, tem uma grande sacada ao mostrar de forma criativa essa mudança de personalidade. O assalto a banco, em si, foi o fator determinante para causar a mudança em Ed. É algo como passar por uma experiência traumática e mudar um hábito ou ler/ver algo que te motive a ser alguém diferente. É o que acontece com Ed Kennedy, ele passa a se tornar uma pessoa melhor. Tudo isso começa no momento em que ele dá auxílio para pessoas que nem conhece, simplesmente por ver que elas estão necessitadas.
Cada instrução que ele recebe pelas cartas de baralho parece ser única. Cada Ás é parte da consciência de Ed. O engraçado em toda a história é que nos motiva a fazer uma mudança. Pequenos ou grandes gestos que podem ser cruciais para outras pessoas. O crescimento de Ed influência o leitor a querer ser melhor. Sorrisos, risadas e até lágrimas marcam a leitura de uma obra como "Eu sou o Mensageiro". Por fim, Markus tenta mostrar para o leitor que todos podem fazer a diferença, ele quer que todos superem seus limites e sua capacidade.
A genialidade de Markus é cativante, interessante e extremamente invejável. É como Audrey, uma das personagens da história fala para Ed:
Se um cara como você consegue fazer tudo o que você fez, talvez todo mundo consiga.
Essa é aquela máxima "todos podem mudar o mundo, basta querer". Talvez querer seja poder e talvez Ed seja o herói escondido em todos nós. Basta dar um chance para ele, que então será possível transformar o mundo em um lugar melhor. Para isso, basta que as pessoas se tornem um pouco "melhores".

1 comentários:

  1. Eu AMO AMO esse livro :D
    Foi o primeiro livro que eu li do Zusak e ele me motiva bastante a continuar minha caminhada na leitura!

    Att. Tanara S. Hormain
    http://www.tatashhormain.com/

    ResponderExcluir

Blog contents © Leitor Informal 2012. Blogger Theme by Nymphont.